quarta-feira, março 21, 2007


Hoje, cito alguém não tão distante...
Para falar de tempos de revolução diária.
Talvez um comentário ao ceticismo e ao desencontro consigo, como na foto: "o filho do dono do mundo". Eu também não acredito num Deus que não saiba dançar...


Super-Homem
Rodrigo Braga
Música: Viés

Eu vos anuncio um super-homem
Eu vos apresento um super-homem

Longe dos seus conceitos que não sabe de onde vem
Longe dos seus valores impostos quando neném
Perto das novidades de um "Jorge Ben"
Me sinto bem assim
respeitando sincero à mim

A liberdade já me pretence antes de nascer
A liberdade que ainda me pertece depois de crescer

E o inconsciente coletivo é só uma prova do vem
do que vem a ser
Renunciei com medo e coragem à tudo
Até ficar um ateu e me encontrar no escuro
Eu ja cheguei a dizer que Deus tá morto
Mas ele renasceu de mim
inconpreensível e todo.

Vamo acordar
Vamo acordar pois o tempo não pára
Escuridão bateu mas logo a vida fica clara
Tudo sara
Tudo sara, sim
a vida é rara, é
mas qual será que vai ter fim?

Sou camarada de força
Força e batalha
O sol racha esquenta e eu não jogo a toalha, não
Tudo sara
Tudo sara, sim
A vida é rara, é
Mas qual será que vai ter fim, Zaratustra?