domingo, dezembro 31, 2006

*cena do filme “O Fabuloso Destino de Amelie Poulain"

E Acordo Sozinho

Entre os pelos da tua nuca
de novo não sou
o que virá
por quanto sonhei
por tanto esperei
que chegasses demais
que o medo de deixar-te ser

mais
que eu nunca fui
da cor
que seríamos nós
da nascente a foz
se morassemos um

a viagem de vivaz
quando a luz se desfaz
no esboço do teu
corpo luz que não
será meu

e quando lembro de ti
das palavras que moram
em meus dedos entoam
os detalhes de ti

que guardo em canções
pra desfazer a ilusão
de que esta noite
ao meu lado, dormes

esperando a manhã
para sermos a mais
o que numa vida
não caberia de nós
pobre ilusão do rapaz