segunda-feira, outubro 02, 2006


Quase um sertanejo, não se assentava. José era homem bom, senhor respeitado, típico lider carismático na fala do Weber. Foi frentista de posto, dirigiu caminhão, carregou algodão, foi coronel, industrial, de tudo um pouco, em lugares inimagináveis. Mas carregava acima de tudo uma dor! A guardava pulsante obscurecida no fundo do peito. Escondia tanto que às vezes esquecia-se dela. No meandros da vida, se apaixonou. Foi pai. Se machucou e continuou a fugir. Hoje não pára, não se sedimenta. O pobre tem medo de raízes. Caludica entre o homem campestre e o cidadão que anseia por sucesso e ser bem sucedido. Nem pode ser sucedido. Seus sucessores não aprenderam a amar a sua causa. Ficou só em sua ilusão. Anda. Vai de um lado pro outro, quase que buscando nas coisas suas felicidade. Não acredita mais na vida, apenas em si. Diz do amor e da dedicação, mas não acredita mais em nada que não sua saúde momentânea, efêmera. Perdeu-se. Procuro, busco, mas não o encontro. Ele passa. Passa, passa, passa. Nunca fica. Vem e vai. O que será de sua posteridade? Quanto tempo resistirá sem um lar verdadeiro pra voltar? Ele há de se cansar? Tomara, pai... Tomara...

3 Comments:

Blogger qualquer também said...

"Vai de um lado pro outro, quase que buscando nas coisas suas felicidade"

O eterno e incessante buscar nas coisas. Seja lá o que for, mas sempre parece que vai ajudar.
Busca nas coisas para não ter q se deparar com a realidade de que a busca do alguém é bem pior. Um alguém que não chega e parece que nunca vai chegar. O lar interior.
Talvez um dia alguém perceba que o lar mora em nós mesmos. Ou será a minha fuga acrediar nisso?

isso nunca vai se saber

02 outubro, 2006 14:17  
Anonymous Diana said...

"O pobre tem medo de raízes."

O: artigo definido, com possível função generalizadora, podendo também funcionar como apelido ao sujeito da oração.
pobre: derivação imprópria de adjetivo.
tem: conjugação na terceira pessoa do singular, ou primeira pessoa do plural em linguagem informal, do verbo ter, no presente do modo indicativo.
medo: substantivo comum, que na verdade é próprio(geralmente de quem o menciona.)
de: preposição indispensável.
raízes: substantivo comum. Na frase em questão, possui sentido figurado, a significar vínculos, relações de afeto mais próximas, a um lugar, a um objeto, a uma pessoa.

04 outubro, 2006 08:17  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

22 janeiro, 2010 10:10  

Postar um comentário

<< Home