quinta-feira, julho 02, 2009


Sobre Recordar

Há algo no ato de lembrar que é sempre fazer-se lembrar. Há quem diga que só tem memória quem vive dela; ou mesmo, que quem vive de lembrança, o faz porque não vive, está sempre no passado, estando vazio e ôco no presente. Não sei, não tenho certeza... E se certezas busco para escolher as palavras, a maior de todas é que a memória em si, precede a escolha racional dela, ou a conjuração de elementos pra povoar o suposto baú de lembranças. Só de viver, se muda o presente e marca-se a cognição do passado pela imaginação...

Parede, baú, álbum, diário, qualquer que seja o monumento que se constrói para retornar às figurações do passado, não são elas maiores que a própria experiência em si. O momento que passou nunca retorna, e as aspirações do homem só o colocam no reencontro consecutivo com suas próprias noções dos fatos. São novos sorrisos, novas lágrimas do agora de um olhar sobre o mosaico de imagens que se reencontram na lembrança. Chuvas, sóis, praia, aquela esquina, a cama, o copo, o corpo, o cheiro, uma janela que às pressas jogam o hoje numa viagem para um hoje outro, que não é passado nem futuro... É simplesmente um uivo da história que cutuca o coração.

De novo do Livro dos Abraços, ontem eu li Galeano dizer que “recordar: do latim re-cordis, (é) voltar a passar pelo coração”. Quando estamos demasiado saudosos, o coração se infla, porque tornamos a atravessá-lo com tão carinhosas cenas, tão fortes cheiros e acontecidos de outrora que clamam por ser um hoje inalcançável. E por inatingível, alimenta-se os passos das lágrimas que pegam a senha pra saltar no precipício do rosto e perder-se na emoção.

A saudade me atravessa o peito muitas vezes de menos cuidadosa com as vontades do hoje. Hoje, ela me atravessou não como antes, ardosa e ferina. Pela primeira vez em tempos, ela veio carinhosa, como se abraçasse qualquer mágoa por um segundo, como um bebê indefeso que pára de chorar no colo-acalanto. Me arrancou saudade, o que já não tem mais idade pra ser, sendo bem mais que aquele rancor, e me abriu portas... Me abriu novas portas para guardar o passado no passado. E por todo sorriso que há de vir, reconhecer a fragilidade do sentimento humano que pulsa neste peito.

E ela passa... Como mágica, passeia alada no céu. Lá... Bem longe, onde já não é mais a mesma; onde não existe mais, onde não é mais hoje, nem ontem...

Só volta a passar pelo coração... Como quem vira o tronco, olha pra trás, deixa o sorriso e segue pelo inexorável.

6 Comments:

Blogger Diana said...

e nessas distâncias incalculáveis, e nesse buraco no tempo, se nao existisse esse re-cordis, e diário, e álbum e fotografia, nada acalmaria o coracao que, como nunca antes visto, infla de saudade e encolhe de tristeza, e infla de esperanca e encolhe com a longa espera. Que infla com as memórias e fica cheio delas. E sorri quando olha pra elas, sorri puro.

06 julho, 2009 18:27  
Anonymous Anônimo said...

Maravilhoso!

09 dezembro, 2009 00:29  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

22 janeiro, 2010 10:25  
Blogger Samantha Ramos said...

Este comentário foi removido pelo autor.

30 abril, 2010 20:39  
Blogger Samantha Ramos said...

Este comentário foi removido pelo autor.

30 abril, 2010 20:39  
Blogger Samantha Ramos said...

Este comentário foi removido pelo autor.

30 abril, 2010 20:39  

Postar um comentário

<< Home