sexta-feira, junho 15, 2007

Música nova...

Do medo de nós

Aqui não!
não esconda de mim o pouco que somos
me deixe encontrar no teu olhar
para cabermos no que ainda não fomos

Te quero em mim nua de ti
Crente que sou teu inteiro, poeta faceiro
teu amante sorrateiro
a te salvar do mundo torto

E fui eu que entortei o mundo
e fui eu que mudei as letras
pra procurares casa no meu cólo
para seres extremo no meu pólo

Só eu sei a dor de não te ter
não procure em mim
nada contra ninguém, nada afim
nada que não você

Cravada em meus desejos
como o clareio vívido de um lampejo
na escuridão do medo
do pouco de mim que é você